Sinhazinha

Sinhazinha era uma moça requintada
Filha do grande barao do engenho
Ela nunca tinha se apaixonado
Nem sentia amor por ninguém,
Certo dia resolveu galopar
No campo da fazenda do barao
Quando seu cavalo disparou
Jogando a sinhazinha no chao,
Benedito era um negro? alforriado
Trabalhava na fazenda do seu pai
Um grande domador de cavalo
As vezes um espécie de capataz
Vendo a sinhazinha no chao
Benedito correu pra lhe ajudar
Segurando a em seus braços
Fazendo a sinhazinha despertar

Sem saber a onde estava e atordoada
Na hora que ela despertou
Olhando no rosto de Benedito
Nesse dia a sinhá se apaixonou,
Antes nao tinha motivo pra viver
Eram tantos? problemas para esquecer
Vivia uma vida sem sentido
Ate Benedito aparecer

Sabendo que seu pai nao ia aceitar
Por ter preconceito de cor
Sinhazinha largou toda família
Pra viver? um historia de amor
Ainda chorando
Sinhazinha assim dizia
Adeus fazenda
E meu cavalo xotao
Adeus meu pai vou seguir meu coraçao
Ainda chorando
Sinhazinha assim dizia
Adeus fazenda
E meu cavalo xotao
Adeus meu pai vou seguir meu coraçao

Questa voce è stata pubblicata in Sinhazinha e contrassegnata con , . Contrassegna il permalink.

Lascia un commento

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione / Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione / Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione / Modifica )

Google+ photo

Stai commentando usando il tuo account Google+. Chiudi sessione / Modifica )

Connessione a %s...