Dor

Meu bisavô me falou iaia
Que no tempo da escravidão
Ooo Era dor muita dor tanta dor
Morriam de dor os negro meus irmãos
Dor, dor, dor
O sangue jorra no chicote do feitor
Dor, dor, dor
O negro morre de saudade sem amor
Dor, dor, dor
Ooo Dona isabel sua lei não adiantou
Dor, dor, dor
O negro morre de paris a salvador
Dor, dor, dor
O sangue jorra na caneta do doutor
Dor, dor, dor
Ooo A raça negra não nasceu para ter senhor
Dor, dor, dor
Minha alma é livre o berimbau me libertou
Dor, dor, dor
A raça negra não nasceu para ter senhor
Dor, dor, dor
Ooo A raça negra não nasceu para ter senhor
Dor, dor, dor
A raça negra não nasceu para ter senhor
Dor, dor, dor
Questa voce è stata pubblicata in Dor e contrassegnata con , . Contrassegna il permalink.

Lascia un commento

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione / Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione / Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione / Modifica )

Google+ photo

Stai commentando usando il tuo account Google+. Chiudi sessione / Modifica )

Connessione a %s...