Rio de Janeiro

Rio de Janeiro
Rio de Janeiro
nessa terra capoeira
tem roda o ano inteiro

coro

quem nâo sai da academia
nâo conhece o mandingueiro

coro

Eee pra melhorar a visâo da capoeira
vocé tem que correr roda
nâo pode marcar bobeira
toque de angola, benguela, Santa Maria
Jogue embaixo, Jogue em cima
Sâo Bento, Cavalaria

coro

reza â Sâo Sebastiâo
que é o seu danto padroeiro

coro

quem nâo sai da academia
nâo conhece o mandingueiro

coro

Eee roda na Penha, Caxias e Cordovil
tem na Barra da Tijuca
e o Quilombo em Acari
na Carioca, na Glôria e na Central
Macaé, Rocha Miranda, no Leblon e Marechal

coro

quem nâo sai da academia
nâo conhece o mandingueiro

coro

Eee pra terminar Ihe dizer dessa maneira
roda mais na capoeira
seja angola ou regional

sangue na veia
bata o pé com alarido
por favor puxe um corrido
no toque do berimbau

coro

quem nâo sai da academia
nâo conhece o mandingueiro

coro

Annunci

Valente Besouro

Nem todo valente se chama Besouro
Nem todo valente se chama Besouro

Quem trança atabaque peleja no couro
Nem todo amarelo e ouro
Nem tudo que sobe desce
Nem todo valente se chama Besouro

coro

Hoje e dia de festa
Leve missa e processão
A roda e na praça da Igreja
Valentia hoje não

coro

De longe vejo o cortejo
O santo vem no andor
Quem quiser pagar promessa
Page pra Nosso Senhor

coro

Ontem era, hoje não é
Nem tudo que balança cai
Berimbau tocou sereno
Mandinga e molho meu rapaz

coro

O toque da Gunga diz
Tudo tem hora e lugar
Quem sabe na academia
É melhor de vadiar

coro

Ê Idalina

Ê Idalina, ê Idalina

vem jogar capoeira

Idalina, ina

Vem mostrar seu gingado

Vem tocar berimbau

Vem tocar o pandeiro

Idalina vem pra roda
vem mostrar o seu gingado
o toque do berimbau
que lhe fez o chamado

Ê Idalina, ê Idalina

Seu tabuleiro na praça
todo mundo já conhece
quem te vê jogar na roda
eu sei que nunca esquece

Também chame Catarina
que é pra te acompanhar
Idalina não te esqueças
todos querem ver jogar

Vou esperar a lua voltar

Vou esperar a lua voltar
Eu quero entrar na mata aê
Eu vou tirar madeira boa
Pro meu berimbau fazer

Eu vou

coro:
Vou esperar a lua voltar
Eu quero entrar na mata aê
Eu vou tirar madeira boa
Pro meu berimbau fazer

Eee Madeira boa é como a amizade
É difícil de encontrar
Amizade eu guardo no peito
E da madeira vou fazer meu berimbau

Eu vou

coro

Eee Se Mestre Bimba estivesse aqui
Pra me ensinar escolher madeira
Eu entrava agora na mata
Tirava ipê e pau pereira

Eu vou

coro

Eee A noite vem eu entro na mata
Lua clareia vou procurar
Jequitibá e maçaranduba
O guatambu eu devo achar

Eu vou

coro

Eee Na velha África se usava o Ungo
Nas grandes festas religiosas
O quijenge é um dialeto Umbundo
É o berimbau que conquistou o mundo

Eu vou

coro

Eu vou

coro

Eee Na lua cheia vou colher os frutos
e na minguante eu tiro a madeira
Vou para fazer meu berimbau
vou para tocar na capoeira

Eu vou

coro

Eee Vou esperar a lua voltar
Eu quero entrar na mata aê
Eu vou tirar madeira boa
Pro meu berimbau fazer

Eu vou

coro

Vou esperar a lua voltar
Eu quero entrar na mata aê
Eu vou tirar madeira boa
Pro meu berimbau fazer
(coro)
Vou esperar a lua voltar
Eu quero entrar na mata aê
Eu vou tirar madeira boa
Pro meu berimbau fazer

Madeira boa é como a amizade
É difícil de encontrar
Amizade eu guardo no peito
E da madeira eu faço o berimbau

coro

A noite chega eu entro na mata
Lua clareia vou procurar
Jequitibá e maçaranduba
O guatambu eu devo achar

coro

Se Mestre Bimba estivesse aqui
Pra me ensinar escolher madeira
Eu entrava agora na mata
Tirava ipê e pereira

coro


Na velha África se usava o Ungo
Nas festas religiosas
O quijenge no dialeto Imbundo
É o berimbau que conquistou o mundo